As festas de final de ano se aproximam e eles os vinhos «  Espumantes, Champagnes , Franciacortas, Cavas, Spakling Wines, Proseccos , Sekt , Crèmant … «  produzidos em inúmeros lugares do mundo, são sempre associados a comemorações, a celebrações, a alegria. Mas gostaria de esclarecer inicialmente aos leitores que essas bebidas deliciosas podem ser consumidas em qualquer ocasião da vida cotidiana. A exemplo podem ser servidos em um welcome drink , acompanhando uma refeição completa, à beira da piscina, nos passeios de barcos e nos encontros com os amigos. É muito harmônico com nosso clima brasileiro e sobretudo com o clima Amazônico por ser refrescante, agradável além de serem extremamente elegantes.

A ação de brindar é um costume e prática muito antiga e existem muitas referencias históricas a esse ato em diversos momentos das civilizações. Na Grécia antiga inúmeros brindes eram elevados ao deus do vinho grego, Dionísio. Já os romanos derramavam um pouco do vinho ao chão no momento do brinde com o objetivo de compartilhar a bebida com os seus deuses, sobretudo com Baco, deus do vinho dos romanos. Há narrativas na história que relatam que esse ato também selava o fim de conflitos, pois na época era muito trivial envenenar o inimigo com veneno nas bebidas, então o ato de brindar forte onde se passava a bebida para a outra taça, era uma demonstração de paz, que a bebida não estava envenenada.

Na atualidade é muito comum praticamente em todas as festas, sobretudo no Réveillon, celebrar a passagem de ano abrindo garrafas de espumantes no momento da virada para elevar brindes com a família e amigos. Essa ação tem como simbolismo, o desejo de um Ano Novo cheio de prosperidade, de esperança e otimismo de um ano novo muito melhor.

São inúmeras as cores, as origens e os estilos de espumantes disponíveis no mercado aos consumidores e claro que essas inúmeras variáveis repercutem nos preços desses produtos. Há consumidores que se interessam por cada detalhes de como essas bebidas foram elaboradas, já há outros, onde foram produzidas e para outros qual o processo de vinificação é a informação mais importante.

Independente de que tipo de consumidor você se enquadra, seguem alguns dados importantes sobre essa deliciosa, versátil e fantástica bebida dos deuses, que simbolizam-se e diferenciam-se dos outros vinhos tranquilos pelo desprendimento de anidrido carbônico, as perlages “as bolhinhas “.

Os espumantes se caracterizam por passarem por uma segunda fermentação e podem ser produzidos por diferentes métodos de vinificação. Além disso podem se diferenciar através do tipo de uvas utilizadas, do terroir onde são produzidos e por detalhes enológicos que cada uma região transmite como identidade dos terroirs em seus produtos . Todos os vinhos espumantes são produzidos a partir de um vinho base, geralmente para elaborar grandes espumantes o vinho base necessita ser muito bem selecionado e loteado. 

Principais Métodos de Produção de Vinhos Gaseificados

1. Método Champanoise
Esse método é chamado também de método Clássico ou Tradicional, onde a segunda fermentação acontece dentro da garrafa por meses ou até anos dependendo do produto, o vinho fica em contato com as leveduras, os produtores têm imenso trabalho e são extremamente detalhista em todos os processos envolvidos o que gera um produto com mais sofisticação, com mais tempo de vinificação e que contribui para produção de um vinho muito mais nobre e elegante.

2. Método Charmat
Já o método Charmat que foi inventado pelo enólogo italiano Frederico Martinotti, mas patenteado pelo pelo francês Eugène Charmat em 1907 é caracterizado pela segunda fermentação acontecer em enormes tanques de aço inox , em cubas fechadas ( Autoclaves ) são produzidos em maiores volumes, em larga escala e seus preços costumam ser infinitamente mais baratos devido o custo de produção ser muito menor.

Dicas de Serviço para Servir em Grande Estilo

Após decidir qual o estilo de espumante você irá servir se atente a temperatura ideal, que deve ser entre (6° à 8°C). Quanto a forma de abrir nunca sacuda a garrafa para não desperdiçar nenhuma gota dessa delícia, retire a cápsula que geralmente é metálica e após afrouxe a gaiola, em seguida pressione o seu dedo polegar sobre a rolha e gire a garrafa, tente não fazer barulho ou obter o som bem discreto, é assim que os profissionais abrem os espumantes. Após abrir a garrafa sirva em taças estilo flute com 2/3 de vinho, avalie a perlage se é com bolhas finas e persistentes, isso é sinal de um bom produto. Não pegue no bojo da taça e sim na haste ou base, para não passar a temperatura da sua mão para o produto, fazendo com que ele esquente e comprometa a sua avaliação.

Agora é só elevar suas taças ao alto em grande estilo com grandes ESPUMANTES ao lado das pessoas que você ama, brindar à vida, à saúde, aos novos planos e aos novos projetos e aos novos horizontes.

Um brinde especial à VOCÊ LEITOR que me acompanhou em cada publicação durante este ano. Desejo um excelente ANO NOVO, que seja repleto de muitos momentos felizes, cheios de realizações, que não falte vinho em sua taça e que esse contribua imensamente com a sua saúde!

______________________________________________________________________________

Feliz Ano Novo ! Happy New Year ! Bonne Année !

______________________________________________________________________________

 📩 dayanecasal@bacozon.com

📲 https://www.facebook.com/dayane.casal.3

📲 https://www.instagram.com/dayanecasal

#bacozon #mundodosvinhos #mundodosvinhosbydayanecasal #dayanecasal #culturavinica #culturavinicanaamazonia #espumantes #franciacorta #sparklingwines

A presença dos vinhos nas festas e comemorações é algo que acompanha a humanidade desde seus primórdios. Há diversos relatos que os gregos e os romanos o bebiam com frequência em suas celebrações, e nos dias atuais essa bebida de Baco não pode faltar nos momentos de festividade nas reuniões familiares e entre amigos.

As festas de final de ano são um grande marco de comemorações do ano que se finda e da esperança de um ano novo ainda melhor. Nesse momento as pessoas tem suas agendas preenchidas por inúmeros eventos, festas de confraternizações do trabalho, momentos com os amigos e é um período mais dedicado a rever e estar com os familiares, e em todas essas oportunidades o Vinho sempre está presente, seja com um flute de espumante, uma tacinha de vinho branco ou rosé, ou saborear os encantos da enorme variedade de estilos de tintos e vinhos de sobremesa.

Os espumantes são sempre uma forma elegante e sofisticada de dar boas-vindas aos seus convidados, um welcome com um flute é sempre algo muito simpático. Essa bebida incrivelmente versátil pode acompanhar a festa toda e até todos os pratos de uma refeição se assim agradar ao paladar de quem o está degustando. Existem inúmeros estilos diferentes que vão dos doces até os nature que possuem um teor residual de açúcar mínimo, podem ser produzidos com inúmeras castas e podem possuir uma paleta de cores incrível, variando do branco, rosé e até tinto.

O espumante é o vinho que indiscutivelmente não pode faltar nas festas, mas impreterivelmente não pode faltar no momento da virada do ano, no réveillon, é importante se atentar a temperatura de servir o espumante para não pecar ou comprometer a degustação da bebida, ele deve ser servido entre 6ºC à 8ºC. Se a opção for servi-lo só na entrada ou só junto a sobremesa, deve-se optar por menos doces para o start e mais doces junto a sobremesa para seguir a regra clássica da harmonização por associação de sabores.

Atualmente existe uma enorme variedade de estilos de Vinho Branco, que realmente encantam aos enófilos que gostam de apreciar vinhos diferentes. Há desde vinhos brancos de beira de piscina que são leves, frescos, frutados, fáceis de beber e que fazem alguns apreciadores até passarem da conta degustando várias taças seguidas. Já quando a gastronomia é mais rica e requintada como um belo prato de bacalhau rico em azeite e batatas, prato que está na mesa de muitas pessoas no natal a dica é um vinho branco mais untuoso, com passagem em barrica de carvalho e que dá um toque de complementariedade na harmonização para a ceia de natal.

É sempre uma bela sugestão o Vinho Rosé como aperitivo ou até mesmo como acompanhante de uma salada ou pratos com frutos do mar, essa bebida é muito consumida na época do verão, mas também em épocas de festas onde as reuniões são sempre com muitas pessoas e que possuem inúmeros perfis diferentes, e os rosés sempre complementam os eventos. As tonalidades dos rosés variam conforme o toque que o enólogo o deseja produzir, mas a certeza é que são encantadores aos gostos refinados e delicados de muitos apaixonados por vinhos.

Já os Vinhos Tintos são geralmente o ponto alto nas festas, onde acompanham de modo geral como casamento perfeito o prato principal. Os terroirs e estilos de tintos são um verdadeiro universo de possibilidades, mas se já se sabe o perfil do que agrada aos convidados e também já definido o menu, fica bem mais fácil decidir qual melhor tinto servir. Pratos com carnes vermelhas, carnes de caça ou até mesmo uma posta de bacalhau preparado com especiarias ou com mais untuosidade, podemos servir junto vinhos tintos que tenham mais corpo, mais estrutura, mais tanicidade e volume de boca. Minha sugestão para decisão deve ser baseado nessas informações acima e sobretudo buscar por castas que já lhe agrade ao paladar.

Uma festa bem elaborada tem que ter o seu Grande Finale e é nesse momento que cabem os mimos dos anfitriões, seja com um flute de espumante especial ou vinhos que são elaborados com mais teor de açúcar residual, os conhecidos Vinhos de Sobremesa , que são um verdadeiro acarinhar a alma. Existem no mercado inúmeros estilos de vinhos de sobremesa, como os vinhos (do Porto) que são os mais famosos do mundo, os vinhos feitos com uvas congelados no próprio vinhedo ( Ice Wine) , os vinhos que são conhecidos por passarem pela podridão nobre (Botrytizado) e os vinhos produzidos com uvas colhidas bem mais tarde onde se concentra o açúcar residual da uva ( Colheita Tardia).

As festas findam e ficam as inúmeras recordações dos momentos maravilhosos vividos juntos aos familiares e amigos. Uma das formas de guardar as lembranças são as coleções de rolhas degustadas que os enófilos colecionam e que sem dúvida são o retrato físico de quantos momentos alegres e divertidos foram desfrutados na vida. Desejo Boas Festas a todos e inúmeros néctares de Baco em suas taças. Saúde!

 📩 dayanecasal@bacozon.com

📲 https://www.facebook.com/dayane.casal.3

📲 https://www.instagram.com/dayanecasal

#bacozon #mundodosvinhos #mundodosvinhosbydayanecasal #dayanecasal #culturavinica #culturavinicanaamazonia 

Este surpreendente território no norte da Espanha situa-se entre a Serra da Cantabria e o rio Ebro, possui 15 municípios e cerca de apenas 12.000 habitantes. A comarca de Rioja Alavesa apresenta inúmeras paisagens repletas de monumentos pré-históricos, pequenos povoados medievais em sua maioria localizados em colinas e com muralhas, possui uma vastas região plantadas de vinhas e muitas bodegas com diferentes características.


Esta minha incrível viagem para à Rioja Alavesa – Laguardia ( Espanha) começou a ser desenhada após uma prova de vinhos espanhóis e biodinâmicos em Düsseldorf na Alemanha, onde o amigo Maouri Perez me apresentou ao produtor e enólogo Saúl Gil Berzal, que me fez provar seus vinhos no mesmo momento. Durante a prova o encanto foi aumentado a cada rótulo que eu degustava, o produtor gentilmente ia me fornecendo minuciosas informações sobre a produção daqueles surpreendentes vinhos. Bem, o resultado foi que em uma semana eu estava lá na surpreendente e abençoada Laguardia, na Rioja Alavesa.

A Rioja é sem dúvida a mais destacada região vitivinícola da Espanha, possuir o título de mais antiga denominação da Espanha (1925). Essa região também obteve o primeiro título em 1991 de Denominación de Origen Calificada D.O.Ca. ou  D.O.Q. A região demarcada é subdividida em três: Rioja Alta, Rioja Baja e Rioja Alavesa. Essas áreas possuem diversas diferenças em seus terroir, com enorme variedade de climas , composição geológica do solo e outros detalhes da produção.

A Rioja Alavesa é a menor área da região de Rioja, mas apresenta fantásticas particularidades que possibilitam a produção de vinhos muito especiais. Ao norte apresenta a Serra Cantabria que serve como uma verdadeira barreira física contra os fortes ventos do norte. Está em uma localização privilegiada por está em uma transição de climas de influência atlântica (mais fresco) e mediterrânea (mais sol), seu solo é argilo-calcário com muitas pedras com carbonato de cálcio.

A família Gil Berzal produz vinho já de longo tempo, o Sr. José Luis Gil fundou a vinícola com sua esposa, Sra. Gloria Berzal. Atualmente, os seus filhos Saúl e Benjamin dedicam-se a bodega Gil Berzal seguindo a tradição da família e tem com isso introduzido inovadores projetos para a vinícola, como produzir os vinhos com as praticas ecológicas e biodinâmica.

A prática da agricultura biodinâmica norteia-se nas relações harmônicas entre os elementos que compõem a produção, buscando um equilíbrio entre o solo, as plantas, os animais, o ser humano e o cosmo (os climas diferentes nas estações do ano), pois essas circustância atuam diretamente no ciclo de vida do terroir. Com isso, buscar um equilíbrio vai de encontro ao não uso de pesticidas e até fertilizantes industrializados, assegurando como objetivo a saúde do vinhedo, e concomitante a do ser humano.

O resultado da ação das práticas biodinâmicas durante todo o processo de produção aliado as características do terroir são expressas nos próprios vinhos cheios de caráter e personalidade. São vinhos com acidez pronunciada, com muita fruta presente e mineralidade. Os vinhos do produtor Gil Berzal são em maioria produzidos com as castas tintas Tempranillo, Garnacha , e as brancas são produzidos com a Viúva entre outras.

Visitar essa região também é fazer uma viagem a historia e um verdadeiro banho de cultura através existência de inúmeros monumentos da pré-história, locais interessantes e inúmeras bodegas de diversos estilos.

Em síntese há muita autenticidade na expressão da história , do longo tempo e do fantástico terroir da Rioja Alavesa e o produtor Gil Berzal está de parabéns por estar produzido vinhos que deixam uma enófilas como eu maravilhada.

……………………………………………………………………………………………………………………………….

 📩 dayanecasal@bacozon.com

📲 https://www.facebook.com/dayane.casal.3

📲 https://www.instagram.com/dayanecasal

……………………………………………………………………………………………………………………………….

Compartilhar minhas experiências e vivencias vínicas realmente é algo que faço com muito prazer. Neste post compartilho uma das experiência mais emocionantes que vivi como Wine Hunter neste ano. Dentro do Brasil, no estado do Rio Grande de Sul, no município de Garibaldi existe um brilhante vínico de valor imensurável e o nome dele é Sr.Orgalindo Bet, um Wine Maker fantástico que tive a honra em conhecer.

Em visita a região Sul do Brasil, um grande amigo enólogo e produtor Anderson De Césaro guardava uma surpresa pra mim, afinal ele conhece bem a minha paixão por vinhos de qualidade superior e resolveu me presentear me levando para vivenciar algo simplesmente inesquecível em minha vida. Fui levada até o município de Garibaldi (RS), onde localiza-se a propriedade Orgalindo Bettú Vinhos Nobres e lá consegui perceber o que de fato podemos chamar de amor pelo Mundo dos Vinhos.

Dono de um currículo acadêmico extenso e invejável na enologia, e ao mesmo tempo de uma enorme simplicidade que encanta aos olhos, o Sr.Orgalindo Bettú nos recebeu ao lado de sua esposa e companheira Dona Fátima Bettú com muita simpatia e um grande sorriso no rosto. Mas eu não sabia que estava em frente de um casal que mexeria profundamente com as minhas emoções ao degustar algumas das suas obras de arte.

Fomos chamados a adentrar uma linda sala de provas onde a riqueza de detalhes encantava meus olhos com uma decoração simples, mas de extremo bom gosto com madeiras de barricas nas paredes, algumas ainda até cravadas com cristais de ácido tartárico precipitado, uma mesa em madeira belíssima já com taças a nossa espera e lindas arandelas nas paredes com desenhos de folhas de parreiras. Um verdadeiro santuário para degustação de vinhos.

Sr.Eduardo Bassetti e Sr.Orgalindo Bettú

Fomos convidados a sentar pela Dona Fátima e logo começamos a ouvir o Sr.Orgalindo Bettú com uma voz branda, suave e serena um agradecimento pela nossa presença e uma explicação do que eles estavam desenvolvendo em sua propriedade.

Depois de trabalhar por décadas para grandes produtores de vinhos brasileiros e até de ser a referência profissional na produção dos grandes vinhos em São Joaquim (SC), resolveu dedicar-se integralmente a sua vida a sua própria propriedade, cerca de 1/2 ha e ao lado da sua amada Dona Fátima produzindo vinhos que tivessem sobretudo o seu próprio DNA, com a participação das características marcadas do terroir, mas com o seu próprio Know-how profissional, explícito em suas obras de arte.

Acompanhei atentamente o serviço do primeiro vinho a ser degustado e mal eu sabia que esse seria o vinho que me arrancaria lágrimas de emoção pela sua qualidade impecável e por saber que foi produzido em minha pátria BRASIL. Observei com atenção ao bailado que estava sendo realizado passando um pouco de vinho em cada taça que seria servida aos presentes, fui visualizando isso taça a taça e ao observa-lo, analisava a cor do vinho que já me chamava muito atenção pelo seu dourado radiante. O vinho a ser servido logo de início chama-se Dona Fátima , homenagem do Sr.Bettú a sua amada, que ao seu lado trabalha dia após dia para produzirem vinhos com qualidade ímpar.

O vinho Dona Fátima é um néctar singular, é um 100% Chardonnay 2012, que foi engarrafado em 2014 e que após passados 5 anos de engarrafamento estava simplesmente fantástico, fascinante, mágico, esplêndido e encantador. Passou estágio em barrica de carvalho francês nova de grão fino da floresta de Vosges.

Dono de uma riqueza de aromas e sabores que deixa qualquer enófilo encantado tentando buscar em suas memórias tanta informação em um vinho só. Após eu sentir seus aromas e sabores foi difícil conter a emoção, olhei para meu amigo que estava sentado ao meu lado e o disse tentando resumir o que estava sentindo “o vinho está magnífico”. Um a um todos começaram a expressar a enorme satisfação em poder está ali num momento tão especial degustando uma preciosidade brasileira.

Alto nível de prova com diversos profissionais do Mundo dos Vinhos do Brasil

A prova seguiu degustando vários rótulos maravilhosos e após seguimos para dar uma volta às vinhas, o casal foi nos apresentando as castas que cultivam, contando detalhes de parte de suas experiências naquele terroir tão único em suas especificidades. Rico em detalhes altamente técnicos e em natureza sem igual. Observei a magnitude do cultivo da Chardonnay cravada em meios a grandes pedras, e que delas se faz o vinho que tanto havia me emocionado, o vinho Dona Fátima.

Dessa experiência tirei inúmeras lições. Primeiro a força do amor e de uma paixão ao fazer o que verdadeiramente se deseja fazer. Segundo nunca subestimar a capacidade produtiva de um terroir e da fantástica ação da mão humana. O Sr.Bettú sem dúvida é um verdadeiro mago na produção dos grandes vinhos do Brasil e merece todo o meu respeito e aplausos. O vinho Dona Fátima é uma joia vínica do Brasil e a Dona Fátima é o verdadeiro brilhante do Sr.Bettú !!!

Parabéns ao casal Sr.Orgalindo Bettú e Dona Fátima Bettú pelo seu belo trabalho no terroir de Garibaldi , é simplesmente sensacional o resultado !!!

……………………………………………………………………………………………………………………………….

 📩  dayanecasal@bacozon.com

📲 https://www.facebook.com/dayane.casal.3

📲 https://www.instagram.com/dayanecasal

A frase clássica “Harmonizar Faz Parte da Arte do Bem Viver”, sem dúvida é muito verdadeira, e acrescento que harmonizar é poesia pura aos nossos sentidos.

A busca em reunir o prazer entre os sabores dos alimentos com os estilos e características dos vinhos, sem dúvida é uma arte e que pode nos proporcionar sensações de bem estar sobretudo à alma. Unir ou complementar os sabores dos alimentos nos proporciona uma experiência que ativa, inspira e agrada nossos sentidos.

“Harmonizar faz parte da arte do bem viver.”

Para compor uma boa harmonização devemos inicialmente analisar as preferências individuais, os costumes e os hábitos culturais e sobretudo aproveitar conhecimentos de sabedorias ancestrais, já tão experientes nessas composições deliciosas.

Para começar a vivenciar esse delicioso mundo da “harmonização”, algumas pessoas buscam se qualificar através de cursos especializados, já há outras que já tem a sensibilidade aflorada e a partir dai bastam só treinos e oportunidades. Para tal o interessado deve procurar degustar com atenção aos vinhos e aguçar seus sentidos buscando perceber os elementos chaves que se podem detectar nos alimentos.

Pedagogicamente classifica-se 5 elementos chaves nos alimentos que são detectados pelos seres humanos, são eles ácido, salgado, doce, amargo e umâmi.

Suas capacidades de percepção dependem sobretudo de receptores sensoriais localizados nas papilas gustativas e em toda a cavidade oral. Dependendo de cada elemento e da quantidade desses contidos em determinados alimentos, esses podem nos proporcionar experiências fantásticas ou provas trágicas ocasionadas pela bela ou infeliz harmonização com certos vinhos.

Alimentos Ácidos

Em contato com alimentos ácidos ( com toque cítricos e com vinagres ) o vinho parece ser muito mais doce e mais rico. O vinho parece menos amargo e menos ácido. Os alimentos com elevada acidez podem suavizar vinhos ácidos. Fica sempre um alerta quando for harmonizar com vinhos de baixa acidez.

Alimentos Salgados

Alimentos com mais cloretos, a exemplo embutidos, curados, ou mesmo alimentos com mais presença de sal , o vinho parece mais suave e mais rico. O vinho parece menos amargo e menos ácido. Em contato com alimentos mais salgados os vinhos mais tânicos podem parecer mais suaves e mais palataves.

Alimentos Doces

Quando temos alimentos agridoces e sobremesas devemos ter atenção pois o vinho parece mais amargo e mais ácido. O vinho parece menos doce e menos frutado. Uma dica é alimentos doces devem ser harmonizados com vinhos doces.

Alimentos Amargos

Existem muitos alimentos com características de sabor amargo como brócolis , alcachofra, jiló, berinjela e até o chocolate amargo, há de se ter atenção, pois o vinho pode ficar completamente comprometido, é interessante detectar se esses ingredientes serão acrescentados de algum tempero e especiarias.

Alimentos Umâmi

Os cogumelos , ervilhas, frutos do mar, molho shoyu, são alimentos que apresentam uma grande quantidade de ácido glutamato, inopinado e guanilato ao qual os receptores do sabor umâmi são ativados no paladar.

Quando em contato com esses elementos o vinho parece mais amargo e mais ácido. O vinho parece menos doce e menos frutado. E quando em contato com vinho com níveis elevados de taninos , eles podem mostrar até gosto desagradável.

Atualmente as engessadas regras de harmonização caíram em cheque, levando aos entusiastas a se aventurarem em novos percursos e em novas criações cheias de elegância e coerência nos sabores, o mais importante é sempre observar o que mais se destaca no sabor dos alimentos e ingredientes, pois eles é que irão determinar a escolha do vinho.

Para uma boa harmonização é necessário ter respeito a três condições, condição de analogia , de associação e de sensibilidade sensorial.

Analogia

Comidas delicadas devem ser servidas com vinhos mais leves.

Carnes Vermelhas bem condimentadas harmonizam com tintos encorpados . Grandes tintos revelam-se ainda muito mais o seu potencial junto com a comida.

Associação

Associação pelas cores, predispõem a associação de sabores. Alimentos menos coloridos como carnes brancas de aves e peixes e com molho branco, associam-se com vinhos brancos , de cor pálida , sabor leve e frescos.

Sensibilidade Sensorial

A clássica harmonização de ostras com o vinho Chablis com a casta chardonnay.

Foie Gras com Sauternes .

Queijos azuis como Gorgonzola e Roquefort com os vinhos Botrytizados e Colheita Tardia.

Observe que no decorrer de uma refeição a sensibilidade vai caindo, diminuindo e adormecendo progressivamente. Por isso deve-se sempre levar em conta a progressão dos sabores.

Brancos antes de tintos.
Secos antes de doces.
Leves antes de encorpados.

Como considerações finais sugiro que você não deva ser governado pelas regras, afinal somos todos diferentes, cada um com seus gostos distintos e peculiares. Nunca esqueça de que é a comida que geralmente causa mais problema em uma harmonização. Portanto se tiver dúvida abra uma garrafa de vinho e se jogue na procura de agradar ao seu próprio paladar !

Boa Diversão !

📩  dayanecasal@bacozon.com

https://www.facebook.com/dayane.casal.3

https://www.instagram.com/dayanecasal

Convido a você leitor a descobrir a grandiosa riqueza do mundo dos vinhos brancos. Eles são donos de uma enorme paleta de cores que vão desde quase incolor, verde cristalino, amarelo palha, amarelo ouro, ouro velho, âmbar, castanho à marrom.

Ricos em aromas florais, frutados, vegetais, minerais e quando estagiam em barricas ganham notas com bouquets que vão desde especiarias, lácteos, tostados e até mel. Já em boca podem ser agradavelmente discretos e delicados ou até apresentar uma incrível sensação de untuosidade de sabores.

Em via de regra as uvas brancas são as primeiras a serem colhidas, e isso acontece mais cedo comparado as tintas, no intuito de se preservar algumas características nas uvas como riqueza de ácidos que conferem ao vinho um delicioso frescor. O enólogo responsável fica sempre atento ao ponto ótimo de maturação. É importante observar os horários da colheita, evitando os horários mais quentes do dia, para evitar a oxidação e consequentemente a fermentação precoce, com isso se obtém um controle para que não ocorra a perda de aromas primários importantes e o aparecimento de aromas não desejados ao vinho branco.

É enorme a variedade de castas brancas cultivadas para vinificação no mundo. Mas existem algumas que são consideradas como principais em determinados países e que produzem vinhos encantadores.

Na França a Chardonnay reina absoluta na região de Chablis e a Sémillon produz os Sauternes para deleite dos enófilos, no Vale do Mosel na Alemanha a casta Riesling produz uma enorme variedades de perfis de vinhos, podendo ser até de longa guarda, na Itália na Comuna de Roero produz vinhos com a castas Arneis cheios de aromas delicados, na Hungria a casta Furmint faz uma maravilha com os seus Tokajs e já na Eslovênia essa mesma uva produz uma delícia de vinho refrescante e frutados, em Portugal na região da Bairrada a casta branca Arinto tem produzido vinhos sublimes e o no restante do país o Alvarinho tem produzidos prazerosos néctares, no Dão a casta magnifica Encruzado é a escolha, na região da Rioja no norte da Espanha a Viúra é a mais produzida.

Existe uma casta branca que é cultivada nos quatro cantos do planeta , produzindo vinhos com perfis muito diferentes, me refiro a esta clássica uva branca, a Sauvignon Blanc, que na região do Loire (Sancerre e Pouilly- Fumé) na França é considerada rainha, já na região de Marlborough na Nova Zelândia e em algumas partes da Austrália e África do Sul vem se destacando produzindo grandes vinhos brancos. Em São Joaquim na Serra de Santa Catarina no sul do Brasil ela tem produzidos vinhos brancos surpreendentes, fruto de um belo trabalho dos produtores, seus enólogos e do próprio terroir.

Os vinhos brancos podem ser ricos em sedutores aromas, com inúmeras nuances de cores, cheios de refrescância ou até agradável untuosidade, tornando-os fascinantes a quem mergulha em descobri-los. No entanto, para saber se você está de frente a um branco de qualidade, há que se avaliar um detalhe simples, mas muito importante, constatar se o vinho tem equilíbrio entre acidez e maciez. Segundo Euclides Penedo Borges que compartilha a sua vasta experiência em seu livro, a acidez provem dos ácidos orgânicos como tártarico, málico, cítrico, succínico, lático e acético, já a maciez depende de ingredientes adocicados como álcool etílico , açucares residuais, glicose, frutose, xilose e glicerina.

Os métodos de vinificação dos vinhos brancos podem ter diferenças, dependendo do estilo de vinho que se deseja obter. De modo geral as uvas são colhidas, selecionadas, passam pelo processo de desengace dos cachos e após são conduzidas a prensas onde acontece a separação das peles e das sementes, a exceção dessa sequencia são ” Oranges Wines” , onde se deixa a poupa fermentar com as peles e sementes, alguns até com os engaces.

Na sequencia da vinificação acontece a prensagem e em seguida a fermentação, no caso dos vinhos leves, o mosto é fermentado sem as películas e após é mantido em tanques de inox sob baixas temperaturas, já os vinhos encorpados são amadurecidos em barricas por determinado tempo, nesse período acontece a fermentação malolática. Já nos vinhos aromáticos, aqueles ricos em aromas de frutas doces, a fermentação é interrompida antes do açúcar seja todo consumido pelas leveduras. Ambos os tipos de vinho leves, encorpados ou aromáticos por ultimo são clarificados, engarrafados e seguem para comercialização.

Provenientes geralmente de uvas brancas, os vinhos brancos também podem ser produzidos com uvas tintas, nesse caso com uma prensagem muito suave para evitar extrair a cor das peles ou películas das uvas, são conhecidos por “Blanc de Noir”, brancos provenientes de uvas tintas. Outro detalhe interessante sobre o método de vinificação, no caso de brancos doces é que podem ser botritizados, congelados, colheita tardia, passificados e até fortificados.

Compartilho aqui algumas experiências que pude ter degustando alguns vinhos brancos que se tornaram inesquecíveis em minha vida.

País : França 🇫🇷
Região : Vale do Loire – Sancerre
Produtor : Alphonse Mellot
Casta : Sauvignon Blanc
Ano : 1988

Em visita a região de Sancerre conheci um dos mais respeitados produtores de vinho da região, o Sr. Alphonse Mellot , que após horas de conversas, boas risadas e inúmeros rótulos degustados me convidou a conhecer a “cave secreta” da empresa onde haviam algumas barricas de carvalho francês em estágio já há longos anos, para minha surpresa ele abre uma barrica , puxa o néctar com uma pipeta e me presenteia com uma prova de um Sauvignon Blanc de 1988, que estava simplesmente magnífico.

País : Alemanha 🇩🇪
Região : Vale do Mosel
Produtor : S.A Prüm
Casta : Riesling Auslesse
Ano : 1998

A região do Vale do Mosel é dominada pela produção da casta Riesling e lá pude conhecer todos os vinhedos e instalações da adega da família Prüm. Entre mais de 20 tipos de Riesling que provei , um realmente se tornou muito marcante , o vinho Riesling Auslesse de 1998, ano em que ocorreu condições microclimáticas para o ataque do fungo Botrytes Cenerea, tornando o produto algo fantástico.

País : Portugal 🇵🇹
Região : Douro
Produtor : Quinta das Bajancas
Castas : Rabigato, Gouveio e Viosinho
Ano : 2016

Em São João da Pesqueira na região do Douro conheci a família Lamas, os seus vinhedos e os seus vinhos através de um amigo. Difícil esquecer um vinho tão marcante quando o Quinta do Corvo Branco 2016, possui um corpo fabuloso, esse vinho é daqueles que dizemos que “merece respeito”, está sensacional.

País : Espanha 🇪🇸
Região : Rioja Alaversa
Produtor : Gil Berzal
Casta : Viúra
Ano : 2011

Após dirigir muitos quilômetros pude conhecer a Bodega Gil Berzal e a família Gil Berzal, os seus vinhos biodinâmicos espetaculares e cheios de uma exuberância de aromas e sabores. O vinho Bajo 0 é uma vinho estilo Icewine , que é muito famoso no Canadá , mas que na Laguardia norte da Espanha foi produzido no ano de 2011 quando as uvas ainda estavam no vinhedo sofreram congelamento com uma grande variação climática que ocorreu e pode-se utilizar está tecnica de vinificação, produzindo um vinho encantador com a uva branca Viúra.

País : Portugal 🇵🇹
Região : Vale do Douro
Produtor : Vasques de Carvalho
Vinho do Porto
Ano : 1
880

O Vale do Douro é conhecido por produzir o vinho mais famoso do mundo , o vinho do Porto. Lá no produtor Vasques de Carvalho tive a experiência em provar o vinho mais antigo da minha vida , 1880. E sem dúvida surpreendente constatar a capacidade de guarda de um néctares como esse, ele apresentava-se bom para o consumo, senti levíssimas notas de iodo, com ainda presença de frutas na boca.

País : Brasil 🇧🇷
Região : São Joaquim (SC)
Produtor : Villaggio Bassetti
Casta : Sauvignon Blanc
Ano :
2017

Fui apresentada ao produtor da Villaggio Bassetti através de um amigo e enólogo, logo que cheguei na propriedade fomos dar uma volta pelos vinhedos para que eu entendesse o que era o terroir dos Vinhedos de Altitude. Entre vários vinhos degustados na visita, fui surpreendida com o vinho Selvaggio D’Many com a uva Sauvignon Blanc devido maturar por meses com películas , esse vinho tem estrutura e para degusta-lo em seu melhor, aconselha-se até a decanta-lo, vinhos inesquecível para apreciadores de excelentes brancos.

País : Itália 🇮🇹
Região : Piedmont – Roero
Produtor : Livia Fontana
Casta : Arneis
Ano : 2017

Cheguei a região de Piedmont para provar muitos Barolos e Barbarecos , mas fui encantada com uma casta branca chamada Arneis , faz um vinho delicioso, com aromas intenso, aveludado e persistente. A experiencia foi única, pois ao buscar vinhos tintos, vim de lá embebida por delícias brancas também.

País : Portugal 🇵🇹
Região : Bairrada
Produtor :Quinta dos Abibes

Casta : Arinto
Ano : 2015

A Bairrada é realmente uma região fantástica e seus brancos vem ganhando a cada safra status de muita qualidade. Sem dúvida que o Sublime com a casta 100% Arinto do produtor Quinta dos Abibes é um vinho sublimamente arrebatador de corações de enófilos apaixonados por néctares brancos fabulosos .

Obviamente o caminho para ganharmos leque de prova e conhecimentos no mundo dos vinhos é só um, provando de tudo quanto for possível. Naturalmente ter curiosidade e sensibilidade é de suma importância para o aprimoramento. O mundo dos vinhos brancos é um verdadeiro exercício de percepções, sobre os néctares e sobre a si próprio , pois através deles nós mergulhamos num auto-conhecimento delicioso. Os vinhos brancos são capazes de harmonizar com quase tudo, são alegres e cheios de vida. Ergo minha taça de vinho branco nesse momento a você leitor que busca conhecimentos para aprimorar suas percepções .
Saudações Báquicas !

Fontes :
World of Wine , Oz Clarke’s, Editora Pavilion , 2017.

Os Segredos do Vinho, José Osvaldo Albano do Amarante, Editora Mescla, 2018.

Conhecer e Trabalhar o Vinho , Emile Peynaud, Editora Biblioteca Agrícola Litexa, 1993.

Entender de Vinho, João Afonso , Editora A Esfera dos Livros, 2017

Conheça Vinhos, Dirceu Vianna Junior- José Ivan Santos – Jorge Lucki , Editora Senac, 2010.

Wine Folly The Master Guide , Madeline Puckette-Justin Hammack, Editora Magnum

O Guia Completo do Vinho, Katherine Cole, Editora Quarto, 2018

Curso de Vinho para Verdadeiros Apreciadores , João Afonso, Editora A Esfera dos Livros , 2013.

O livro do Vinho , Vincent Gasnier, Editora Publifolha, 2015.

Manual Técnico de Vinhos, Luis Lima- João Covêlo- Paulo Pechorro- Luciano Rosa- Carlos Freire Correia , Editora Turismo de Portugal

O Guia Essencial do Vinho Wine Folly , Madeline Puckette – Justin Hammack, Editora Intrinseca, 2016

Windows on the World Complete Wine Course, Kevin Zraly, Editora Sterling Epicure, 2016

Degustando Vinhos , Euclides Penedo Borges, Editora Msuad, 2016.

A Little course in Wine Tasting , David Williams , Editora DK , 2016.

Como degustar vinhos , Jancis Robinson , Editora Globo S.A., 2010

O Passo a Passo da Degustação , Editora Senac, 2016.

Uvas e Vinhos Química, Bioquímica e Microbiologia. Roberto da Silva- Ellen Silva Lago-Vanzela- Milla Alves Baffi . Editora Senac, 2015.

Vinhos Brancos o Prazer é Todo Seu , Sergio Inglez de Souza, 2016.







A Alemanha possui 13 regiões vitivinícolas ou “anbaugebiete” como são denominadas as áreas de produção, em sua maioria se localizam na parte Sudoeste do país. Neste post irei me deter a comentar sobre o majestoso Vale do Mosel que percorre a Alemanha , mas ele corre na fronteira de Luxemburgo e França também.

Nesta região já se plantam uvas há mais de 2000 anos, é conhecida por ter uma das melhores áreas da viticultura Alemã, com uma geografia, topologia e microclimas que levam a produzir os mais conhecidos e respeitados vinhos Riesling do mundo. Alguns autores sub-dividem esta região em três, Mosel, Saar e o Ruwer. Ao visitar o Vale do Mosel pude constatar em loco as curvas sinuosas do rio Mosel, onde nas suas margens são plantadas vinhas desde a sua nascente nas montanhas Vosges até ao seu encontro com o rio Reno em Koblenz.

Também observei a enorme inclinação em que os vinhedos estão plantados, conhecidos por serem os vinhedos com maior inclinação do mundo, podendo ter até quase 70 graus de inclinação, sem socalcos, é uma luta constante contra a gravidade a que os trabalhadores tem que travar, por ser tão íngrime por outro lado, favorece grandemente ao tempo de exposição das plantas a luz solar, levando a uma melhor maturação fenólica.

Algo que também pude perceber em conversas com os enólogos e produtores é que há uma busca incessante em aprimorar a cada safra a qualidade dos vinhos produzidos, buscando excelência máxima que até superam aos padrões de qualidade definidos e exigidos pelas leis nacionais, quanto aos requesitos de qualidade. Isso claro, gera um grande orgulho ao responsável técnico e ao produtor quando mostram seus vinhos ao mundo.

Uma dica para verificar procedência de qualidade de um Riesling do Mosel é observar o símbolo da águia estampado na garrafa, que é o símbolo da Associação com os melhores viticultores da região. Uma curiosidade é que a única casta autorizada para produção dos vinhos “Grosses Gewächs” ou “Grandes Colheitas” pelo VDP-Mosel é a Riesling. Para consultar se um produtor pertence ao VDP, é só acessar o link a seguir e clicar na região que você deseja pesquisar. http://www.vdp.de/en/vineyardonline/ . Outro detalhe interessante é verificar na garrafa se tem a denominação Gutsabfullung que significa que o vinho é “engarrafado na própria propriedade”.

O terroir do Vale do Mosel se caracteriza por diversos microclimas devido as inúmeras curvas sinuosas do rio Mosel. O clima se apresenta com uma temperatura média anual com cerca de 10 ̊C , com invernos frios e verões agradáveis com precipitação suficiente. O armazenamento do calor no rio impede a formação de geadas. O solo apresenta-se com baixa fertilidade, mas rico em minerais, sobretudo com riqueza de pedras ardósia, que ajudam a reter o calor do sol de dia e liberar a noite para as videiras, ajudando ao processo de amadurecimento das uvas.

Desde o período da Idade Média a rainha dos brancos na Alemanha vem sendo cultivada às margens do Mosel, Saar e Ruwer. A uva Riesling representa cerca 60% da área cultivada e a variedade é enorme dos tipos de vinhos produzidos com esta casta. Ela se caracteriza por amadurecer tarde e produzir néctares delicados, elegantes, frescos, florais, frutados e atraentes, que refletem o caráter do seu terroir que é tão encantador. Quando jovem apresentam aromas e sabores de frutos como maçã, pêra e pêssego e também aromas florais e herbais. Já quando maduros revelam outros aromas como damasco, ameixa amerela, abacaxi, lichia e até aromas petroláceos. Já os vinhos Auslese, são doces, nobres, raros e reputadíssimos são produzidos em anos excepcionais, onde ocorrem condições microclimáticas para o ataque do Botrytis cinerea, conhecida como podridão nobre e os aromas e sabores podem apresentar frutas exóticas, como manga, maracujá, passas e mel. A versatilidade desta casta em produzir tão diferentes vinhos é algo fantástico e o potencial de armazenamento desses vinhos considerados premium é magnifica.

A enorme quantidade de Rieslings produzidos não deixam dúvidas da grande versatilidade de harmonizações com diversos pratos, que podem ser desde saladas, frutos do mar , carnes de aves , suínos e até com comida tailandesa , sem falar nas sobremesas com os Auslese.

Não poderia finalizar este post sem comentar sobre o enoturismo nesta região de beleza única, em que para todo lado que se direciona o olhar há coisas incríveis para se observar. Uma das vistas mais fantásticas é sem dúvida a de cima do Monte Calmont, com 380 metros de altitude e até 64 graus de declividade. Outra visita na região que não pode deixar de ser feita é na cidade Trier, considerada a cidade mais antiga da Alemanha com mais de 2000 anos, com inúmeros monumentos históricos-arquitetônicos. A Porta Nigra é um dos principais pontos turísticos tombado pela UNESCO com patrimônio histórico desde 1986. Para os que praticam o esporte da caça, pude observar que no vale existem inúmeros lugares com palanques bem estruturados.

Quanto a hospedagem existem inúmeros hotéis distribuídos nas diversas cidades da região, mas compartilho a experiência em ficar em uma propriedade que produz vinho de qualidade superior, assim além de acomodações confortáveis, ainda se pode conhecer detalhes importantes da produção dos grandes vinhos Riesling. Segue o link do site para reservas www.sapruem.com .

Após conhecer em loco os encantos da região do Vale do Mosel, os detalhes do seu terroir, conhecer as especificidades do cultivo da Riesling, aumentar o leque de provas com vinhos diversos e fabulosos podemos compreender porque de fato o Vale do Mosel é a terra abençoada para o cultivo da Riesling. Desejo boas provas com os vinhos incríveis desta região.

FONTES :
*O Livro do Vinho , Editora Publifolha, Vincent Gasnier , 2015
*Wine Folling, The Master Guide, Editora Penguin Rondom House, Madeline Puckett and Justin Hammack
*O Guia Completo do Vinho, Editora Quarto , Katherine Cole, 2018
*World of Wine, Editora Pavilionbooks, Oz Clarke’s , 2017
*Os Segredos do Vinho, Editora Mescla, José Osvaldo Albano do Amarante, 2018
*Wine, Editora H.F.Ullmann, André Dominé, 2017
*Sobre Vinhos, Editora Cengage Learning, J. Patrick Henderson e Dellie Rex, 2012
*WeinbroschuereMosel2010GB.pdf